Blog Rock Pixel

Novidades do marketing digital

Comprar uma lista de e-mails é bom para meu marketing?

Você já deve ter recebido algumas dezenas ou centenas de e-mails, informando que determinada empresa tem uma base com 100 ou 200 mil leads “quentes” 🔥, e que essa será a salvação da sua campanha, ou que seu negócio vai conseguir vender mais disparando publicidade para todos estes e-mails.

Lead quente! Quente! QUENTEEE!

Juntar essa quantidade de e-mails é fácil, é simples, e vou até deixar um código pra você digitar e testar no Google no final dessa matéria, pra você testar.

Mas quando finalizar essa leitura, eu desejo de verdade que eu tenha conseguido ter a inspiração necessária para te mostrar que comprar base de leads é um péssimo negócios!

Não autorizado!

Em primeiro lugar, eu quero te fazer uma pergunta: você fica feliz em receber dezenas de mensagens de spam, todos os dias, em sua caixa de e-mail?

Nada legal enviar e-mails que não pediram 😕

Construir sua base do leads, mesmo que seja do zero, é a melhor opção!

Ofertas e empresas que você nunca ouviu falar, mas que estão lá, com o seu contato, te enviando ofertas que você não tem o menor interesse, e o pior de tudo, que NUNCA pediu pra receber!

Se você fica com esse sentimento, saiba que existem milhões de pessoas que também ficam, então a melhor jogada é: construa sua base de leads!

Mas a oferta é boa!

É tentador, eu sei, você que tem 2 ou 3 cadastros por mês em seu site, ter um banco de dados com 100 ou 200 mil e-mails de pessoas “reais”, “leads quente” para que seu negócio comece a vender de verdade na internet.

Ainda mais quando essa base de dados vem de fontes confiáveis, como o banco de dados do INSS, do Imposto de Renda, ou que seja de correntistas premium de um banco conhecido.

Este é o mesmo caso do bilhete premiado, acredita quem quer cair nesse golpe.

Quem muito promete, nada entrega

Estas listas vendias em massa, no Mercado Livre, por exemplo, são uma fraude gigantesca.

Em uma busca bem, mas beeem rápida pelo Mercado Livre, achei um produto que me “entrega”, 150 milhões de e-mails “testados”, por mais ou menos R$ 150,00. Isso me custaria R$ 0,000001 por lead. Bem barato não?

Agora leve em conta que a população do Brasil é de 210 milhões de habitantes, isso me daria uma taxa de mais de 71% da população com contas de e-mails.

E mais algumas perguntas: você vai vender pra todo mundo? Sua empresa atende o Brasil inteiro? Seu público vai de crianças até idosos? De ambos os sexos? E a faixa LGBT, vende pra eles também?

É muita gente, eu tenho chances!

“Ahhhh mas Fabricio, de 150 milhões de contas de e-mail, se 0,01% comprar na minha loja, já me dou muito bem.”

Realmente, se você fizer 15 mil vendas no seu site, você pode ter um belo lucro no fim do mês.

O grande complicador nessa frase é a palavrinha “SE”. SE não fosse o SE, tudo ficaria mais simples.

Agora vamos aos fatos.

Senta e leia

Dessa lista de 150 milhões de e-mails, 50% devem ser contas fabricadas, aquelas que se você disparar alguma campanha, irá retornar como e-mail não encontrado.

Uma outra grande quantidade já vai cair na caixa de spam, por não ter nenhum registro passado de contato com a sua empresa.

Aqueles que tiverem um anti-spam mais fraco, ou seja, as contas fora dos grandes provedores de serviços de e-mails, como gmail, Hotmail, outlook, entre outros, nem vai abrir o seu envio, e já vai pra lixeira.

Desse pouquíssimo residual de pessoas que receberam seu comunicado que você conseguiu driblar o anti-spam, e ainda assim abriram, vão notar que não são o público-alvo, que essa mensagem não tem nada a ver com elas, e também já vai pra lixeira.

Uma minoria mais revoltada, vai te colocar na caixa de spam, e você nunca mais vai conseguir falar com elas.

No final, você vai ter 5 ou 6 cliques para o seu site, e será uma grande sorte se conseguir realizar alguma venda.

Quanto custa um lead?

As grandes empresas investem milhões de reais por ano para construir uma estrutura de funil de vendas, investindo em marketing de conteúdo para atrair visitantes para o seu site, investem uma grana violenta produzindo material relevante, como vídeos, e-books, oferecendo produtos gratuitos, pra conseguir que estes visitantes se cadastrem em algum formulário, e de alguma maneira se tornem leads.

Após o cadastro, continuam nutrindo estes leads com campanhas muito bem segmentadas, atingindo diretamente o interesse desse lead, falando a mesma língua, tentando de todas as formas interagir com essa persona, para que no final possa resultar na tão esperada venda!

Quanto você acha que custou esse lead? E quanto você acha que custou essa venda?

Não existe um número certo, um valor exato pra passar para nenhum cliente. Quem fala que um lead pra sua empresa custa R$ 2,00 ou R$ 3,00, vai estar atirando em um buraco negro.

Na internet, tudo são testes.

Entrei nesse assunto, pois muitos clientes me questionam qual o valor ideal para um clique, para uma conversão, para um lead, ou para uma venda.

Não existe um valor exato, tudo são testes. A internet é um ambiente muito variável, e o que dá certo e funcionou para uma empresa, não necessariamente terão os mesmos resultados em outra empresa, do mesmo setor, com as mesmas atividades.

O retorno do investimento nem sempre é o mesmo para cada empresa

Em uma palestra que assisti recentemente, o diretor da agência, responsável pelo marketing digital de grandes empresas, informou que um cliente investiu R$ 10.000,00 em uma campanha, e teve um ROI (Retorno Sobre o Investimento) de 7, ou seja, para cada R$ 1,00 investido nessa campanha, eles conseguiram faturar R$ 7,00.

Em outra campanha, o cliente investiu R$ 100.000,00, mas teve um ROI de 2.

Qual destes clientes teve o maior faturamento final? Qual destes clientes colocou mais dinheiro no bolso ao final da campanha?

Os números são necessários para os gestores terem seus parâmetros, e para definir nosso norte, mas nem sempre eles vão exercer o papel principal para as tomadas de decisões.

Você acha caro um lead custar R$ 100,00 para sua campanha? Mas e se esse produto te der um lucro de R$ 5.000,00? Atrair esse lead para fazer esse investimento, vai custar tempo, e também dinheiro. Não será fácil convencer essa persona a abrir tanto assim a carteira, e portanto, terá que trabalhar bastante seu marketing digital.

Comece pequeno. Pense grande!

Nem toda empresa já nasce com milhões de investimento, e com uma base de leads para e-mail marketing com milhares de cadastros. O que as grandes empresas tem em comum, é que todas começaram pequenas, mas sempre pensaram grande em seu futuro.

Integrar o seu formulário de contato do site com um gerenciador de leads, já é um belo começo. É muito simples, rápido e fácil integrar com o MailChimp, por exemplo.

Quando uma pessoa enviar uma dúvida pelo seu site, ela já entrará em sua base de dados como um contato frio, ou seja, aquele que ainda não temos definição nenhuma de gostos e interesses, nem sabemos se ele deseja adquirir produtos ou serviços da sua empresa.

Esse é o começo de tudo. A gênesis da sua base de contatos, que no futuro, poderá estar totalmente engajada e automatizada para propor novos lançamentos, e realizar vendas recorrentes para os diversos produtos que irá lançar.

Tenho uma lista quentíssima. Posso começar meus envios?

A palavra aqui é: DEPENDE!

De onde você conseguiu essa lista? Foi você que construiu? Como você sabe que essa lista é quente? Já validou as contas que estão cadastradas?

São várias perguntas, sim, mas quero te dar um exemplo concreto.

Imagine que a sua empresa conseguiu adquirir 5 mil cadastros, em uma feira que participou. Muitas pessoas passaram pelo stand, olharam seus produtos, conversaram com seus representantes, e muitas mãos foram apertadas para que estes cadastros fossem feitos.

Fazendo uma análise mais criteriosa, podemos eliminar uma quantidade de pessoas que escreveram seu e-mail errado, talvez até por boa fé, mas que se atrapalhou na hora de escrever, trocou uma letra, esqueceu de um .br no final, quem nunca?

Outro ponto é que se você não tiver um sistema de qualificação de lead, pensado para o momento, você não tem como definir quais leads estão de fato interessados no que você está oferecendo. Alguns só passaram pra saber do que se tratava a sua empresa, outros pelos brindes, e outros podem ter passado o contato errado mesmo por que não estavam interessados em nada do que você tinha pra falar.

Ainda temos aqueles contatos que estavam “quentes” durante aquele momento do evento, e após uma avaliação ao retornarem para as suas empresas, perceberam que aquele assunto não era tão importante para o dia-a-dia, ou deram prioridade para outro projeto.

Limpe a casa, e organize a sala!

A palavra de ordem aqui é: higienização!

Sua lista também precisa ser limpa

A sua lista de e-mails também precisa de uma limpeza, para retirar aqueles e-mails que não tem nada a ver com seu negócio, aquelas contas que não existem e alguns outros cadastros que só retornam erros nos envios.

Quanto mais específica a sua base estiver, melhores serão os resultados das suas campanhas, gerando mais aberturas, mais cliques, e mais VENDA$$$!

Irmãos gêmeos!

Aquele seu potencial cliente, aquele tipo de pessoa que você acredita que deva conhecer a sua oferta, pode estar passando por uma dificuldade financeira no momento, e deixar passar.

Mas, quantas pessoas com o mesmo perfil existem na sua cidade? E no seu estado? Veja a nível de pais e até mundial!

Esse é o que chamamos de público semelhante, e você vai encontrar o nome lookalike nas ferramentas de anúncios como Google e Facebook Ads.

Parecidos, mas não iguais

Estes são os públicos que são parecidos com os que você atualmente conversa, que possuem interesses semelhantes ao destas pessoas que você já conhece, e que podem sim, vir a se interessar pela sua oferta.

Este é um recurso bastante utilizado para ampliar a sua rede de público, e direcionar ainda mais a sua comunicação, sem precisar preencher gostos e interesses específicos para sua campanha.

Este é um bom uso que você pode ter daquela sua base parada a muito tempo.

Hackeando o Google

Como comentei anteriormente, existe uma forma de conseguir dados estruturados do Google, utilizando uma pesquisa formatada, que trará uma base de dados inicial para você começar a fazer seus anúncios.

A frase que você deve digitar no Google é a seguinte:

site:linkedin.com/in/ + "gerente de vendas" + "São Paulo" + "@gmail.com"

Vamos detalhar esta pesquisa:

  • Informamos que o site que desejamos pesquisar é dentro do LinkedIn.
  • Queremos pesquisar somente pessoas com o cargo de gerente de vendas.
  • A área que desejamos pesquisar estas pessoas, é somente na região de São Paulo.
  • E como estamos buscando contas de e-mail, informamos que gostaríamos de resultados de pessoas com contas no Gmail (@gmail.com)

Você pode expandir essa pesquisa com outros requisitos, e pode trocar as especializações para as áreas que desejar, ou para as regiões onde a sua empresa atua.

Mas lembre-se do principal: NÃO DISPARE E-MAILS pra essa lista!

Use ela como o público semelhante, aquele que as ferramentas de anúncios irão comparar para distribuir suas publicidades.

Como começar minha base?

Não será do dia pra noite que terá milhares de e-mails dispostos a consumir tudo o que a sua empresa oferece. Será um trabalho longo, e que irá demandar muitas ferramentas e testes, mas que a longo prazo, com certeza vale a pena.

Então vamos as dicas:

  1. Invista no Marketing de Conteúdo. Faça as pessoas se interessarem pela sua empresa e pela sua marca.
  2. Use um gerenciador de Leads. Existem diversas ferramentas (MailChimp, LeadLovers, RD Station), e você optar entre contas gratuitas e pagas. Depende do seu negócio, e de onde quer chegar.
  3. Faça constantes limpezas. Uma casa limpa causa melhor impressão nas visitas, e se você continua disparando campanhas pra leads que nunca recebem suas mensagens, você está só desperdiçando tempo e dinheiro.
  4. Não utilize listas prontas. Estas pessoas nunca pediram pra receber seus comunicados. Isto é SPAM e só causa revolta para este público. Não deixe a sua marca ser odiada.
  5. Segmente a comunicação. Um cliente que comprou roupa de banho, pode não estar interessado em furadeira de alto impacto. Use as informações para direcionar melhor suas comunicações.

 

Gostou desse conteúdo? Fez a diferença para o seu negócio ou para sua equipe? Comente aqui em baixo e me diga como utilizou e que resultados obteve!

Acesse nossos canais e curta as nossas publicações.

Facebook: http://bit.ly/2W8buY0

Twitter: http://bit.ly/2VTBsd5

YouTube: https://bit.ly/2YNQseg

Instagram: http://bit.ly/2YQMEc6

LinkedIn: http://bit.ly/2YPpnr8

Messenger: http://bit.ly/2QrpuGt

 

Aproveite para comentar quais ideias teve, e como irá começar a colocar em prática.

Lembre-se de curtir o vídeo no YouTube, seguir o nosso canal e ativar o sininho para receber sempre em primeira mão as novidades.

Siga também a nossa página no Facebook, que trás sempre conteúdo exclusivo e relevante para seu negócio.

Este foi mais um momento Mudando Mindset da Rock Pixel Digital, hoje fazendo você economizar dinheiro com estas listas de e-mails furadas que vendem na internet.

Grande abraço e lembre-se: você é do tamanho da sua mente!

Sucesso!

Fabricio Gwadera

Profissional de internet, fundador da RockPixel e nas horas vagas não desgruda da telinha.

Anúncio

Assine nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades da Rock Pixel

Assinando nossa newsletter, você receberá diretamente em seu e-mail todas nossas atualizações. Todas as informações inseridas aqui são de total responsabilidade da Rock Pixel e não iremos divulgá-las ou utilizar em campanhas de marketing de terceiros. 

Carregando...